Callink aponta que mercado, desafiador, buscou alternativas para acompanhar demandas

Callink aponta que mercado, desafiador, buscou alternativas para acompanhar demandas
Em um ciclo positivo para todos, os clientes evoluem, exigindo das empresas uma evolução, que faz os clientes adotarem novos hábitos, e assim por diante. Ou seja, são os desafios que acabam trazendo as novas oportunidades, como foi o ano de 2018, na visão do diretor comercial da Callink, Luciano Silva. "Ao sermos desafiados pelos nossos clientes, encontramos sempre alternativas e caminhos novos para incrementar ainda mais a inovação, melhorar performance e ampliar o sucesso dos nossos negócios", conta.
Assim, esse foi um ano em que a Callink se dedicou a buscar tirar o máximo em performance, inovação e eficiência das operações, em conjunto com os clientes. Dentro disso, o executivo destaca as conquistas de negócios de atendimento, que denomina de operações hibridas. "Conseguimos mesclar, em alguns cases, atendimento humano com automações e toda a gestão do workflow, assim como vendas e cobranças por meio de pessoas, em nossas ações com réguas de acionamentos digitais." Em entrevista exclusiva, Silva fala sobre o ano da Callink diante das mudanças do mercado.

Callcenter.inf.br - Que avaliação faz de 2018 para o mercado de gestão de cliente?
Silva: Vivemos um ano de muitos desafios e por sua vez esta foi a palavra que nos moveu. Ao sermos desafiados pelos nossos clientes, encontramos sempre alternativas e caminhos novos incrementar ainda mais a inovação, melhorar performance e ampliar o sucesso dos nossos negócios. 

Quais os principais fatos que marcaram o setor esse ano?
O fato que escolho como marcante é uma ação externa que teve impacto direto no setor. Em 2018 obtivemos uma grande conquista que foi o julgamento do STF sobre a licitude da nossa atividade como terceiros. Essa validação gerou mais tranquilidade para os empresários continuarem investindo no setor, assim como foi preservado o emprego de milhares de trabalhadores, beneficiando nosso setor e as empresas que usufruíam da terceirização.

Como foi 2018 para a Callink?
Esse foi um ano em que nos dedicamos a buscar tirar o máximo em performance, inovação e eficiência de nossas operações, em conjunto com nossos clientes. Conquistamos novos clientes, seja na vertical de atendimento, vendas, backoffice e cobranças, assim como obtivemos novas e importantes conquistas com serviços de tecnologias para o mercado. Fecharemos o ano com crescimento e muitas boas perspectivas para dar continuidade ao trabalho em 2019. Nosso crescimento se deve tanto a crescimentos orgânicos, que mediante a entrega de resultados temos esta contrapartida de confiança de nossos clientes, assim como por meio da conquista de novos e importantes clientes.

Quais foram os principais acontecimentos da empresa nesse ano?

Destacamos as conquistas de negócios de atendimento, que denominamos de operações hibridas. Conseguimos mesclar, em alguns cases, atendimento humano com automações e toda a gestão do workflow, assim como vendas e cobranças por meio de pessoas, em nossas ações com réguas de acionamentos digitais. Essas foram grandes conquistas para nós, que buscamos inovar e renovar a forma de trabalhar com nossos clientes, gerando maiores resultados, eficiência e mantendo sempre os olhos no controle dos custos.


Créditos: Callcenter.inf.br 

Assessoria: Ga Comunicação - Uberlândia MG